Bateria arriou? Evite a chupeta

Que atire a primeira pedra quem nunca fez a famosa chupeta quando a bateria arriou. A situação é comum, principalmente em veículos que permanecem parados por muito tempo. Porém, cuidado: apesar de funcionar na grande maioria dos casos, forçar a bateria pode causar danos no sistema elétrico.

O primeiro risco está em usar um cabo emprestado por alguém que pode não ter a espessura certa e estar em más condições, com emendas. O segundo está no procedimento, como erro na posição dos polos, modo de operar os veículos ou a corrente das duas baterias.

O ideal seria fazer a carga com a bateria fora do veículo, apoiada por uma bateria auxiliar externa – os serviços de guincho das seguradoras costumam ter uma. Se o arriamento está se repetindo ou se a ligação direta não funcionar em duas ou três tentativas, é sinal de que não tem jeito: a bateria precisa ser trocada.